| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

O Pão
Desde: 13/05/2002      Publicadas: 148      Atualização: 07/07/2004

Capa |  AGENDA  |  HEPATITES VIRAIS  |  LEGISLAÇÃO  |  PREVENÇÃO  |  TRANSPLANTE  |  TRATAMENTO


 PREVENÇÃO

  02/05/2004
  0 comentário(s)


Uso de camisinha no Brasil é metade do necessário.

Mariana Timóteo da Costa - Os países em desenvolvimento, como o Brasil e os da África, ainda têm um vácuo de bilhões de unidades de camisinha em relação à quantidade de preservativo disponível e a necessário para frear a epidemia de Aids, avaliam o Unaids (órgão da ONU para o combate à Aids) e outras organizações especializadas em mapear o uso do preservativo no mundo.

Segundo uma das organizações mais atuantes no setor, a americana Population Services International (PSI), apesar de ser o continente responsável por 40% das contaminação pelo HIV, a África consome cerca de 6 a 9 bilhões de camisinhas por ano - quando 24 bilhões seriam necessárias para frear a epidemia da Aids.

No Brasil, cerca de 600 milhões de preservativos são usados anualmente, mas entre 1 e 1,2 bilhão seriam necessários para prevenir a Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis de forma satisfatória, segundo o Ministério da Saúde.

As realidades do Brasil e, em escala muito mais elevada, da África provavelmente são as mesmas dos demais países em desenvolvimento como Índia, China e países árabes cujos dados sobre Aids e uso da camisinha não são amplamente divulgados.

Consumo

O diretor do Programa Nacional de DST e Aids, Alexandre Grangeiro, diz que entre 35% e 40% dos preservativos usados no Brasil são distribuídos pelo Ministério da Saúde e o restante é comercializado. Todos os preservativos distribuídos pelo governo são importados.

"No Brasil, há três fábricas, mas elas não têm a capacidade ainda de suprir a demanda e fica mais barato importar. Esperamos uma mudança em 2005, quando deve começar a funcionar uma fábrica de camisinha com látex nacional administrada pelo governo no Acre", diz Grangeiro.



Para o Unaids, a camisinha deixa de ser consumida basicamente por três motivos: quantidade ainda insuficiente de produção, falhas na distribuição (o que inclui preços elevados) e resistência do usuário ao produto. Se usada de forma correta, a camisinha previne até 98% das transmissões do HIV, sendo o único método hoje existente para evitar a Aids em populações sexualmente ativas.

Luiz Antonio Loures, diretor para Europa e Américas do Unaids, afirma que fazer com que os preservativos cheguem aos diversos países do mundo, principalmente em desenvolvimento, é um desafio atualmente tão grande como fornecer tratamento gratuito para os infectados pelo HIV.

Na visão do Unaids, a melhor forma dessa distribuição ser feita é por meio dos programas de marketing social do preservativo.

"Essas organizações têm basicamente três estratégias: fazer com que a necessidade do preservativo seja conhecida, facilitar o acesso e fazer com que a camisinha chegue ao preço mais baixo possível ao consumidor", avalia Loures.

Mas agências de marketing social dependem de financiamento de países como os Estados Unidos, avalia Nigel Tarling, diretor de relações internacionais da organização Internacional Family Health, que lida com planejamento familiar e Aids. "E a administração Bush vem cortando esses fundos", diz Tarling.

Atualmente, a maior distribuidora mundial de preservativos é a USAid, agência ligada ao governo americano que atua em países em desenvolvimento.

Um relatório recente de uma ONG no México, no entanto, mostrou que cerca de US$ 430 milhões investidos pela administração Bush na agência devem ser repassados para organizações em países em desenvolvimento que assinarem um compromisso de não permitir o aborto.

"Há uma prevalência de políticas conservadoras hoje nos Estados Unidos, que vêm cortando fundos para campanhas de prevenção ao HIV", afirma Claire Morris, da Marie Stopes International, organização especializada em saúde reprodutiva.

A ajuda da USAid, por exemplo, foi cortada para países que não concordaram com a política americana como Suazilândia, Chade, Burundi e Ilhas Maurício.

"Não basta realizar campanhas, é preciso fornecer camisinhas. A falta de financiamento desses projetos faz com que a distribuição seja prejudicada", avalia Tarling.

PSI

Douglas Call, vice-diretor do departamento de Aids da PSI, uma das empresas financiadas tanto pela USAid quanto por outras fundações americanas, diz estar preocupado com a distribuição de verba para programas que estimulam o uso da camisinha, por parte do governo Bush.

"Há um temor que a verba seja menor", diz.



A PSI tem uma bem-sucedida campanha no marketing social da camisinha, fazendo com que o produto chegue a um preço mais baixo para o consumidor de países em desenvolvimento.

"O consumo da camisinha ainda não é o ideal no mundo, por razões bastante distintas. É claro que o custo da camisinha conta, principalmente nos países pobres. Mas há países que ainda têm uma resistência cultural grande ao produto, temos que trabalhar com essas populações também", explica.

Uma avaliação recente da organização mostrou que a confiança no parceiro e o desconforto causado pela camisinha contribuem mais para a falta de uso do preservativo do que o custo dele em si, em alguns países africanos.

Brasil

O médico Dráuzio Varella vê a ainda baixa adesão ao uso da camisinha como um problema crônico no Brasil, que piora com a influência da Igreja católica, principalmente no interior do país.

"Nas grandes capitais, a distribuição do preservativo é feita de maneira mais independente. Mas muitas vezes a camisinha chega nas pequenas cidades, mas precisa de uma rede para ser distribuída. E aí a igreja intervém. E como nenhuma prefeitura quer brigar com a igreja, a distribuição do preservativo é barrada", conta Varella.

Para ele, os integrantes da igreja têm outro papel na epidemia de Aids: confortar os infectados, prestar assistência às suas famílias e inclui-los ao máximo na comunidade.

"Mas estratégias cientificamente provadas como eficazes, como o uso da camisinha, não devem ser combatidas", diz.



Os tipos de camisinha

Látex: o tipo mais popular. O látex é uma espécie de borracha contendo poros finíssimos, por onde não passam nem o esperma nem vírus pequenos como o HIV. O látex é um material forte mas pode romper caso seja muito friccionado e sofra pressão. Lubrificantes à base de água ou silicone podem ser usados para evitar o problema.
Membrana animal: era o material inicial da camisinha, porque dá mais sensibilidade ao pênis. Mas as camisinhas deste tipo, apesar de bloquearem o esperma, não são tão eficazes para conter o HIV, porque são porosas demais.
Poliuretano: o material mais novo de que é feita a camisinha. Como é um plástico até duas vezes mais resistente do que o látex, o preservativo é bastante fino e não tem nem odor nem gosto. A sensibilidade do pênis também é aumentada e os riscos de o preservativo romperem são menores do que do preservativo de látex. Ao contrário do látex, pode ser usada junto com lubrificantes à base de óleo.
Camisinha feminina: desenvolvida no final dos anos 90, é eficaz contra o HIV e a gravidez. Mas muitas mulheres afirmam que ela é difícil de colocar e anti-estética. Por isso, talvez, tenha caído em desuso.
Fonte: Safesense.com


A história da camisinha

1350-1220 AC: Os egípcios usavam camoas de espada em volta do pênis para proteger contra insetos, ferimentos e mordidas de mosquito.
100 - 200 DC: Pinturas encontradas nas cavernas de Dordogne, no sul da França, mostram que o homem já usava preservativos.
1500s - O médico italiano Gabrielle Fallopius fabricou uma camisinha à base de linho, cortada sob medida para cada homem. Dos mais de mil homens que usaram o produto, nenhum contraiu sifílis.
1700s - O uso da camisinha já era extremamente popular, principalmente como método anticoncepcional. Os preservativos eram feitos à base de tripa animal.
1800s - Os japoneses criaram uma camisinha feita com um couro bem fino.
1843 - A descoberta revolucionária da vulcanização da borracha (adicionando enxofre e submetendo-a ao calor) permitiu que as camisinhas se tornassem mais elásticas e fossem produzidas a custos baixos.
1930s - Outra revolução. O látex líquido substituiu a vulcanização da borracha na fabricação dos preservativos.
1990s - A tecnologia do látex continuou a se desenvolver e surgiram ainda as camisinhas de poliuretano.
Fonte: Durex



  Mais notícias da seção DST AIDS HEPATITES B e C no caderno PREVENÇÃO
27/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Casos de Aids caem menos na região Sul.
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA - Das dez cidades com maior incidência da doença em 2002, cinco estão em Santa Catarina e duas no Rio Grande do Sul - A região Sul é o novo foco de preocupação da epidemia de Aids no Brasil. Segundo dados divulgados ontem pelo Ministério da Saúde, a região consolidou-se no período de 2001 para 2002 como a líder na incidência...
21/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Nos EUA todos doadores serão testados para sífilis, hepatite B e C e Aids.
Por:imprensa em:21/5/2004 - Jornal:Jornal do Brasil - INTERNACIONAL - WASHINGTON - Todos os interessados em doar tecidos, células, esperma, óvulos e cartilagens receberão um questionário, onde devem responder, entre outras perguntas, se mantiveram relações sexuais com parceiros do mesmo sexo. Os que forem aprovados serão submetidos a exames de sífi...
21/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Homossexuais são proibidos de doar esperma nos EUA.
( 21/05/2004 ) O governo dos Estados Unidos proibiu nessa quinta-feira, dia 20 de junho, que homossexuais doem esperma aos bancos de sêmen em todo país, segundo nota da Agência France Press (AFP). ...
18/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Congresso vai debater doenças sexualmente transmissíveis em recém nascidos.
Seg, 17 Mai - 14h22 - Agência JB - RIO - Apesar dos esforços do Ministério da Saúde para garantir pelo menos seis consultas de pré-natal às gestantes brasileiras, a transmissão da aids e da sífilis para os recém-nascidos não está sendo evitada. ...
17/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Incidência de Aids em adolescentes mulheres é seis vezes maior que em homens.
(Agência Brasil) - BRASÍLIA - O número de casos de Aids registrados entre jovens de 13 a 19 anos do sexo feminino é seis vezes maior do que em rapazes da mesma idade. Por essa razão, o Programa Nacional de DST/Aids pretende ampliar o projeto Saúde e Prevenção nas Escolas, fazendo com que informações sobre DST/Aids, sexualidade, gravidez e violência...
17/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Falhas no pré-natal atrasam controle da aids e da sífilis em recém nascidos.
Profissionais de saúde, parteiras e mulheres vivendo com o HIV discutem, na Paraíba, propostas para melhorar o atendimento às gestantes. Apesar dos esforços do Ministério da Saúde para garantir pelo menos seis consultas de pré-natal às gestantes brasileiras, e apesar de essas consultas estarem sendo feitas, nem por isso a transmissão da aids e da...
11/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Aids representa "ameaça única para sociedade humana", diz OMS.
11/05/2004 - 09h40 - Por Robert Evans - GENEBRA, Suíça (Reuters) - O mundo não está pronto para arcar com o impacto econômico e social da Aids, doença que já matou mais de 20 milhões de pessoas nos últimos 25 anos, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) na terça-feira. ...
07/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Aids dá salto de 600% em municípios fronteiriços, diz Ministério da Saúde.
Atualizado às: 06 de maio, 2004 - 13h03 GMT (10h03 Brasília) - A incidência de Aids em regiões fronteiriças do Cone Sul aumentou mais de 96% nos últimos anos, chegando a uma média de 600% em municípios como Cárceres, Uruguaiana, Chapecó e Cascavel, segundo o Programa Nacional de DST/Aids do Ministério da Saúde. ...
02/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Hemofílicos processam farmacêuticas por causa de HIV.
03 de junho, 2003 - Publicado às 20h24 GMT - Milhares de hemofílicos nos Estados Unidos estão processando as empresas Bayer Corporation, Baxter Healthcare Corporation, Armour Pharmaceutical Company e a Alpha Therapeutic Corporation por supostamente terem ficado expostos ao vírus HIV, que provoca a Aids, ao utilizarem produtos dessas companhias. ...
01/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Machismo prejudica a saúde dos jovens, indica pesquisa.
Seg, 26 Abr - 21h03 Por Natuza Nery - BRASÍLIA (Reuters) - A manifestação do comportamento machista entre jovens brasileiros pode acarretar problemas de saúde pública, revelou uma pesquisa do instituto Promundo. De acordo com o estudo divulgado nesta segunda-feira, poucos homens procuram auxílio médico para prevenir ou tratar doenças sexualmente tr...
01/05/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Mulher com parceiro violento tem risco 50% maior de pegar Aids.
Sex, 30 Abr - 14h41 - Por Patricia Reaney - LONDRES (Reuters) - Mulheres cujos parceiros são violentos e dominadores têm 50 por cento a mais de risco de ser infectadas com o HIV, o vírus da Aids, disseram cientistas na sexta-feira. ...
25/04/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - ONGs da área de Aids apontam ação desmobilizadora do governo
25/04/2004 - 05h47 - AURELIANO BIANCARELLI - enviado especial da Folha de S.Paulo a Porto Alegre - Ativistas de frentes ligadas à Aids e a outros movimentos afirmam que o governo petista está desmobilizando as várias comissões e grupos de trabalho que se dedicam ao controle social, especialmente na área da saúde. ...
19/04/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - EUA: drama nas prisões
11/6/2003 - O MUNDO PELO AVESSO - EMIR SADER - De 9 milhões de pessoas detidas e liberadas em 2002, mais de um milhão e 300 mil saíram como portadores do vírus da hepatite C, 137 mil estavam contaminados pelo vírus da aids e 12 mil tinham pego tuberculose....
15/02/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Crack faz aumentar hepatite em presos
15/02/2004 - 06h04 - AURELIANO BIANCARELLI - da Folha de S.Paulo - "Há cada vez mais gente morrendo de hemorragia por cirrose, o que indica hepatite avançada"...
09/04/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Especialistas pedem 'menos promiscuidade' contra Aids
Especialistas em Aids lançaram um alerta de que são necessárias mais ações para persuadir as pessoas a terem menos parceiros sexuais. Eles disseram que encorajar as pessoas a ter menos parceiros pode resultar em menos infecções por HIV. Num artigo publicado no British Medical Journal, eles disseram que poucos esforços foram feitos para combater o...
06/04/2004 - DST AIDS HEPATITES B e C - Americanos se acham imunes a DSTs e não se protegem, diz estudo
Ter, 06 Abr - 15h11 - Por Maggie Fox. A pesquisa atestou também a ignorância dos norte-americanos sobre as hepatites A, B e C...



Capa |  AGENDA  |  HEPATITES VIRAIS  |  LEGISLAÇÃO  |  PREVENÇÃO  |  TRANSPLANTE  |  TRATAMENTO