| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

O Pão
Desde: 13/05/2002      Publicadas: 148      Atualização: 07/07/2004

Capa |  AGENDA  |  HEPATITES VIRAIS  |  LEGISLAÇÃO  |  PREVENÇÃO  |  TRANSPLANTE  |  TRATAMENTO


 TRATAMENTO

  08/06/2004
  0 comentário(s)


EUA e farmacêuticas têm pacto contra remédio barato, diz OMS

08/06/2004 - Órgão aponta conluio para impor acordos em que países pobres abram mão de direitos - Marta Costa-Pau Em Barcelona - Germán Velásquez, coordenador do Programa de Ação de Drogas da OMS (Organização Mundial da Saúde), denunciou nesta segunda-feira (07/06) que as indústrias farmacêuticas e a pressão dos Estados Unidos estão obstruindo a adoção por parte dos países pobres das medidas de exceção previstas pela normativa internacional de patentes (Trips) para ter acesso a medicamentos de baixo custo.

Velásquez, que participou na segunda em Barcelona do Diálogo Saúde e Desenvolvimento: Desafios para o século 21, que se realiza no Fórum, explicou que os Estados Unidos estão assinando acordos comerciais bilaterais com vários países (entre eles Costa Rica, Jordânia, Chile ou Cingapura) aos quais "exige renunciar às medidas de excepcionalidade da normativa sobre patentes, o que lhes permitiria ter acesso a medicamentos mais baratos".

Velásquez advertiu que não basta que a comunidade internacional tenha reconhecido a necessidade de flexibilizar a legislação sobre patentes. "Os Estados que podem se beneficiar desses mecanismos devem assumi-los e integrá-los em suas próprias leis", disse, depois de dirigir duras críticas à indústria farmacêutica por ocultar "os custos reais dos medicamentos" e por investir "enormes quantidades de dinheiro em produtos sem vantagens terapêuticas como a calvície".

Velásquez lembrou ainda a "dispendiosa luta" travada sobretudo pelas ONGs em países como a África do Sul para obter medicamentos de baixo preço, e salientou que a indústria farmacêutica só atendeu finalmente à reivindicação "para limpar sua imagem pública".

Para ilustrar "o pouco que se avançou" no acesso dos países pobres a remédios de baixo custo, Velásquez lembrou que na África subsaariana somente 27 mil doentes de Aids recebem tratamento com antirretrovirais de baixo custo, enquanto 30 milhões de pessoas nessa região convivem com o HIV e por dia morrem 8 mil.

"Isso é uma vergonha", denunciou Velásquez, que considerou que o continente africano é vítima de um "delito de desatenção" por parte do mundo rico.

O representante da OMS advertiu que o problema do acesso aos medicamentos também vai afetar cedo ou tarde os países desenvolvidos, onde os gastos em medicamentos disparam ano após ano, pondo em risco a sustentabilidade dos sistemas de saúde públicos.

Velásquez também teve palavras críticas para as fundações ou projetos de colaboração entre capital privado e público que atuam no terreno da promoção da saúde no Terceiro Mundo. O especialista da OMS destacou a necessidade "urgente" de avaliar a "transparência" dessas entidades.

A ministra da Saúde da África do Sul, Manto Tshabalala-Msimang, que também participou da sessão de ontem, concordou com o representante da OMS em sua reivindicação de maior transparência das indústrias farmacêuticas.

A África do Sul propôs, sem sucesso, que os laboratórios revelem o custo de produção dos antirretrovirais, de que o governo desse país estaria disposto a pagar a metade em troca de as empresas reduzirem os preços. O governo da África do Sul, país com 5 milhões de cidadãos portadores do HIV, oferece tratamento gratuito a 5 mil doentes. O objetivo é ampliar essa prestação a mais pacientes.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves



  Mais notícias da seção MEDICAMENTOS no caderno TRATAMENTO
10/06/2004 - MEDICAMENTOS - SAÚDE ANUNCIA PACOTE COM NOVAS REGRAS PARA LICITAÇÕES.
Data: 3/6/2004 - Editoria: Brasil = Página: A6 - Ministério nega que conjunto com 11 medidas tenha sido feito às pressas e que normas em vigor fossem vulneráveis - Por: EDUARDO SCOLESE e ANDRÉA MICHAEL, DA SUCURSAL DE BRASÍLIA - Duas semanas após a Polícia Federal ter deflagrado a Operação Vampiro, o Ministério da Saúde anunciou ontem um pacote d...
10/06/2004 - MEDICAMENTOS - Remédios baratos elevam custo global de saúde. No mundo da inovação.
Fonte: Gazeta Mercantil, sexta-feira, 04 de junho de 2004 - A visão de que a escolha de medicamentos mais baratos leva a menores custos é freqüente, mas não leva em conta os custos globais para o sistema de saúde secundário, com resultados clínicos inferiores ou maior número de efeitos colaterais. ...
26/05/2004 - MEDICAMENTOS - Rio de Janeiro - Grupo pede medicamentos contra aids e Hepatite C.
Agência Estado - Clarissa Thomé - 24/05 - A falta de medicamentos contra infecções oportunistas nas farmácias da Secretaria Estadual de Saúde levou ativistas do Fórum Estadual Ongs/Aids a fazerem um protesto no centro da cidade na manhã de hoje. ...
18/05/2004 - MEDICAMENTOS - EUA incentivarão genéricos contra Aids.
RAFAEL CARIELLO - DE NOVA YORK - Mudança de política poderá permitir o uso futuro de remédios em programas de assistência internacional à luta contra a doença. ...
18/05/2004 - MEDICAMENTOS - Remédio para diabético e hipertenso terá subsídio a partir de setembro.
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA - Pacientes com hipertensão e diabetes devem, a partir de setembro deste ano, contar com subsídio do governo federal para a compra de medicamentos em farmácias e encontrar os produtos em locais de atendimento do SUS (Sistema Único de Saúde). ...
18/05/2004 - MEDICAMENTOS - Brasil integra bloco de combate à aids.
Ter, 18 Mai - 09h55 - Agência Estado - Brasil, Índia, China, Tailândia, África do Sul, Rússia, Nigéria e Uganda formaram um grupo para atuar juntos no combate à aids e contrabalançar as posições dos países ricos nos debates sobre as estratégias contra a doença. ...
13/05/2004 - MEDICAMENTOS - Canadá: sinal verde para acesso dos países pobres a remédios genéricos.
13/05/2004 - 20h49 - OTTAWA, 13 Maio (AFP) - O Canadá se tornou nesta quinta-feira o primeiro país industrializado a modificar sua legislação para facilitar o acesso aos remédios genéricos, sobretudo para o tratamento da Aids nos países mais pobres. ...
03/05/2004 - MEDICAMENTOS - A onda de fusões no setor farmacêutico não beneficia o consumidor.
Rio, 03 de maio de 2004 - Consumidor paga por fusões de laboratórios - Deborah Berlinck - Correspondente - PARIS. A onda de fusões no setor farmacêutico — que culminou, na semana passada, com a união das indústrias francesas Aventis e Sanofi, criando o terceiro maior grupo farmacêutico do mundo — não beneficia o consumidor. Ao contrário: os remédio...
02/05/2004 - MEDICAMENTOS - Laboratórios buscam superdrogas contra a Aids e hepatite C
São Paulo, domingo, 04 de janeiro de 2004 - AURELIANO BIANCARELLI DA REPORTAGEM LOCAL - Os laboratórios norte-americanos têm 83 novas drogas em pesquisa contra o HIV/Aids. Todas estão em fase de ensaio clínico com humanos ou aguardando aprovação do FDA, o órgão dos EUA que controla medicamentos. Nesse pacote estão 15 vacinas. ...
01/05/2004 - MEDICAMENTOS - Pegilação do interferon
O polietilenoglicol (PEG) é uma pequena molécula que pode ser polimerizada em longas cadeias, sendo anexada a proteínas. As proteínas pegiladas têm meia-vida mais longa que seus compostos parentais não modificados, mas, essencialmente, retêm sua atividade biológica. A meia-vida da proteína pegilada é influenciada por muitos fatores, mas o tamanho d...
16/04/2004 - MEDICAMENTOS - Mais de mil remédios tiveram preços reajustados acima do teto
por: Salezia Sá - 16/04/2004 12h45 - SÃO PAULO - O Instituto Brasileiro de Defesa dos Usuários de Medicamentos (Idum) constatou que no mês de abril 1.104 medicamentos foram reajustados acima do limite máximo permitido pelo governo, que é de uma alta dos preços da ordem de 6,2%....
09/04/2004 - MEDICAMENTOS - Remédios sobem acima do permitido
Rio, 09 de abril de 2004 Versão impressa -Ledice Araujo - Nova tabela enviada às farmácias tem 48 apresentações de medicamentos com reajustes acima do índice máximo autorizado de 6,2%....
28/03/2004 - MEDICAMENTOS - ESTADO DO RIO DE JANEIRO NÃO FORNECE REMÉDIOS ESPECIAIS
28/03/2004 - Governo não consegue cumprir lei de medicamentos de uso continuado. Enquanto o estado de São Paulo, na sua última licitação, comprou o remédio interferon peguilado a R$ 712,99, aqui no Rio chega-se a pagar uma diferença de R$ 320,93 a mais por frasco, 44% no valor final da compra....



Capa |  AGENDA  |  HEPATITES VIRAIS  |  LEGISLAÇÃO  |  PREVENÇÃO  |  TRANSPLANTE  |  TRATAMENTO