| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

O Pão
Desde: 13/05/2002      Publicadas: 148      Atualização: 07/07/2004

Capa |  AGENDA  |  HEPATITES VIRAIS  |  LEGISLAÇÃO  |  PREVENÇÃO  |  TRANSPLANTE  |  TRATAMENTO


 TRATAMENTO

  02/05/2004
  0 comentário(s)


Laboratórios buscam superdrogas contra a Aids e hepatite C

São Paulo, domingo, 04 de janeiro de 2004 - AURELIANO BIANCARELLI DA REPORTAGEM LOCAL - Os laboratórios norte-americanos têm 83 novas drogas em pesquisa contra o HIV/Aids. Todas estão em fase de ensaio clínico com humanos ou aguardando aprovação do FDA, o órgão dos EUA que controla medicamentos. Nesse pacote estão 15 vacinas.

A informação é da PHRMA, entidade que reúne os laboratórios de pesquisa dos EUA.
Trata-se de uma boa notícia para os pacientes que, sete anos atrás, temiam que os laboratórios tivessem esgotado sua disposição de investir em HIV/Aids. Quando o coquetel foi lançado em 1996, com os inibidores de protease, o custo dos remédios era tão alto que a pergunta que se fazia era a seguinte: haverá quem possa pagar por isso?
Foi quando países como o Brasil passaram a bancar os remédios, abrindo o mercado para milhares de novos pacientes e conseguindo reduções nos preços. Hoje, a OMS (Organização Mundial da Saúde) já fala em passar de 300 mil para 3 milhões, até 2005, o número de pacientes pobres em tratamento.
Na esteira das pesquisas contra o HIV estão os estudos sobre drogas contra a hepatite C, doença que, neste século, ameaça causar mais danos que a própria Aids.
"Estamos ampliando nossas pesquisas nessa direção", disse John Martin Leonard, 46, vice-presidente de desenvolvimento farmacêutico do Abbott e que antes coordenou a pesquisa de medicamentos antiretrovirais desse laboratório. Leonard foi parceiro da equipe de David Ho na conclusão de que a terapia tripla era o melhor ataque contra o vírus.
De acordo com dados da PHRMA, os investimentos dos seus laboratórios em pesquisa passaram de US$ 1,3 bilhão em 1997 para US$ 32 bilhões em 2002, considerando todas as drogas. Só o Abbott investiu US$ 1 bilhão. E, embora a empresa não revele quanto está gastando com a Aids, Leonard adianta que os investimentos estão concentrados em novos inibidores de protease e na busca do "superKaletra", uma das drogas do coquetel mais receitadas no mundo.
Segundo o Abbott, a intenção é produzir um só medicamento, potente a ponto de substituir o coquetel e limitar as tomadas a um comprimido por dia. Abaixo, trechos da entrevista concedida por Leonard por e-mail:




Folha - Em 1997, o senhor afirmou que o Kaletra (lopinavir mais ritonavir) poderia ser o último grande investimento em medicação anti-Aids, uma vez que não haveria mais pacientes em condições de pagar novas pesquisas. Esse quadro mudou?
John Martin Leonard - Mudou. O Abbott continua dedicado a identificar novas drogas para o tratamento do HIV e estamos ampliando as iniciativas para a hepatite C, outra área que merece cada vez mais importância. Como existem vários paralelos entre HIV e hepatite C, incluindo uma alta taxa de co-infecção, nós estamos utilizando nossa pesquisa e expertise em HIV nessa nova área. Ao mesmo tempo, continuamos a estudar e investir no Kaletra, atualmente o mais prescrito inibidor de protease do mundo.

Folha - Outros laboratórios continuam investindo em HIV/Aids?
Leonard - A pesquisa do HIV é extremamente difícil e cara, mas continua sendo feita. Só em 2003, várias novas drogas foram aprovadas nos Estados Unidos, incluindo a primeira de uma nova classe de medicamentos, chamada inibidores de fusão. Várias outras classes, como também novas gerações das que estão no mercado, estão sendo pesquisadas.
O que continua crítico para o desenvolvimento de novas drogas é a capacidade da indústria de providenciar recursos para reinvestir nessa categoria. Isso significa que indústria e governos necessitam trabalhar juntos para chegarem a um preço justo e sustentável, para garantir que os pacientes continuem a ter acesso às drogas atuais e novas.


Folha - O fato de governos e, mais recentemente, organismos internacionais comprarem medicamentos mudou esse quadro?
Leonard - Os brasileiros devem se orgulhar de seu programa na medida em que continua a fornecer medicamentos eficazes e que mantém a necessária inovação para produzir novas drogas no futuro. É um modelo em que outros países e organizações estão se mirando. É importante não focar somente o acesso; acesso eu defino como ter drogas disponíveis no mercado. Combater HIV/Aids não é somente providenciar acesso; diz respeito também à infra-estrutura médica e social básica, médicos bem treinados e pacientes motivados a seguir os tratamentos. Eu acredito que isso pode ficar "ofuscado" quando todos só falam de preço.
Na verdade, o Brasil continuará recebendo Kaletra pelo mais baixo preço do mundo, exceto o preço praticado em nosso programa humanitário para a África e os países menos desenvolvidos conforme classificação da OMS.


Folha - A pressão de governos, da OMS e mesmo da Organização Mundial do Comércio pode levar a uma diminuição da pesquisa?
Leonard - O Abbott continua a trabalhar com o governo brasileiro para alcançar um preço justo e sustentável. Contudo, eu não vejo a ameaça de quebra de patente como parte das negociações. Em vez disso, a violação da proteção de propriedade intelectual significa que as negociações falharam e que os pacientes não terão mais acesso aos tratamentos de alta qualidade. Deixe-me ser claro: a epidemia de HIV continua a se espalhar e mais medicações serão necessárias. Minar as proteções à propriedade intelectual, com a utilização de cópias, ou exigir que as empresas transfiram tecnologia para a produção local, pode diminuir ou interromper a descoberta e o desenvolvimento de tratamentos futuros para doenças de todas as áreas, incluindo HIV. Proteger a propriedade intelectual encoraja a pesquisa que leva a tratamentos mais rápidos, mais eficazes e com menor custos. Sem inovação e sem novas terapias, quem perde, no final, é o paciente.



  Mais notícias da seção MEDICAMENTOS no caderno TRATAMENTO
10/06/2004 - MEDICAMENTOS - SAÚDE ANUNCIA PACOTE COM NOVAS REGRAS PARA LICITAÇÕES.
Data: 3/6/2004 - Editoria: Brasil = Página: A6 - Ministério nega que conjunto com 11 medidas tenha sido feito às pressas e que normas em vigor fossem vulneráveis - Por: EDUARDO SCOLESE e ANDRÉA MICHAEL, DA SUCURSAL DE BRASÍLIA - Duas semanas após a Polícia Federal ter deflagrado a Operação Vampiro, o Ministério da Saúde anunciou ontem um pacote d...
10/06/2004 - MEDICAMENTOS - Remédios baratos elevam custo global de saúde. No mundo da inovação.
Fonte: Gazeta Mercantil, sexta-feira, 04 de junho de 2004 - A visão de que a escolha de medicamentos mais baratos leva a menores custos é freqüente, mas não leva em conta os custos globais para o sistema de saúde secundário, com resultados clínicos inferiores ou maior número de efeitos colaterais. ...
08/06/2004 - MEDICAMENTOS - EUA e farmacêuticas têm pacto contra remédio barato, diz OMS
08/06/2004 - Órgão aponta conluio para impor acordos em que países pobres abram mão de direitos - Marta Costa-Pau Em Barcelona - Germán Velásquez, coordenador do Programa de Ação de Drogas da OMS (Organização Mundial da Saúde), denunciou nesta segunda-feira (07/06) que as indústrias farmacêuticas e a pressão dos Estados Unidos estão obstruindo a ad...
26/05/2004 - MEDICAMENTOS - Rio de Janeiro - Grupo pede medicamentos contra aids e Hepatite C.
Agência Estado - Clarissa Thomé - 24/05 - A falta de medicamentos contra infecções oportunistas nas farmácias da Secretaria Estadual de Saúde levou ativistas do Fórum Estadual Ongs/Aids a fazerem um protesto no centro da cidade na manhã de hoje. ...
18/05/2004 - MEDICAMENTOS - EUA incentivarão genéricos contra Aids.
RAFAEL CARIELLO - DE NOVA YORK - Mudança de política poderá permitir o uso futuro de remédios em programas de assistência internacional à luta contra a doença. ...
18/05/2004 - MEDICAMENTOS - Remédio para diabético e hipertenso terá subsídio a partir de setembro.
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA - Pacientes com hipertensão e diabetes devem, a partir de setembro deste ano, contar com subsídio do governo federal para a compra de medicamentos em farmácias e encontrar os produtos em locais de atendimento do SUS (Sistema Único de Saúde). ...
18/05/2004 - MEDICAMENTOS - Brasil integra bloco de combate à aids.
Ter, 18 Mai - 09h55 - Agência Estado - Brasil, Índia, China, Tailândia, África do Sul, Rússia, Nigéria e Uganda formaram um grupo para atuar juntos no combate à aids e contrabalançar as posições dos países ricos nos debates sobre as estratégias contra a doença. ...
13/05/2004 - MEDICAMENTOS - Canadá: sinal verde para acesso dos países pobres a remédios genéricos.
13/05/2004 - 20h49 - OTTAWA, 13 Maio (AFP) - O Canadá se tornou nesta quinta-feira o primeiro país industrializado a modificar sua legislação para facilitar o acesso aos remédios genéricos, sobretudo para o tratamento da Aids nos países mais pobres. ...
03/05/2004 - MEDICAMENTOS - A onda de fusões no setor farmacêutico não beneficia o consumidor.
Rio, 03 de maio de 2004 - Consumidor paga por fusões de laboratórios - Deborah Berlinck - Correspondente - PARIS. A onda de fusões no setor farmacêutico — que culminou, na semana passada, com a união das indústrias francesas Aventis e Sanofi, criando o terceiro maior grupo farmacêutico do mundo — não beneficia o consumidor. Ao contrário: os remédio...
01/05/2004 - MEDICAMENTOS - Pegilação do interferon
O polietilenoglicol (PEG) é uma pequena molécula que pode ser polimerizada em longas cadeias, sendo anexada a proteínas. As proteínas pegiladas têm meia-vida mais longa que seus compostos parentais não modificados, mas, essencialmente, retêm sua atividade biológica. A meia-vida da proteína pegilada é influenciada por muitos fatores, mas o tamanho d...
16/04/2004 - MEDICAMENTOS - Mais de mil remédios tiveram preços reajustados acima do teto
por: Salezia Sá - 16/04/2004 12h45 - SÃO PAULO - O Instituto Brasileiro de Defesa dos Usuários de Medicamentos (Idum) constatou que no mês de abril 1.104 medicamentos foram reajustados acima do limite máximo permitido pelo governo, que é de uma alta dos preços da ordem de 6,2%....
09/04/2004 - MEDICAMENTOS - Remédios sobem acima do permitido
Rio, 09 de abril de 2004 Versão impressa -Ledice Araujo - Nova tabela enviada às farmácias tem 48 apresentações de medicamentos com reajustes acima do índice máximo autorizado de 6,2%....
28/03/2004 - MEDICAMENTOS - ESTADO DO RIO DE JANEIRO NÃO FORNECE REMÉDIOS ESPECIAIS
28/03/2004 - Governo não consegue cumprir lei de medicamentos de uso continuado. Enquanto o estado de São Paulo, na sua última licitação, comprou o remédio interferon peguilado a R$ 712,99, aqui no Rio chega-se a pagar uma diferença de R$ 320,93 a mais por frasco, 44% no valor final da compra....



Capa |  AGENDA  |  HEPATITES VIRAIS  |  LEGISLAÇÃO  |  PREVENÇÃO  |  TRANSPLANTE  |  TRATAMENTO